Terceira

Património

Património Mundial

O título “Muito Nobre, Leal e Sempre Constante” atribuído a Angra do Heroísmo realça a importância que esta urbe teve ao longo da História de Portugal e, logo, do arquipélago dos Açores. A relevância da baía de Angra, em especial nos séculos XV e XVI, e a importância da cidade no xadrez político, económico e religioso dos Açores estão retratados na malha urbana desta cidade.

Observado do Alto da Memória ou do miradouro do Monte Brasil, o centro histórico de Angra do Heroísmo estende-se num rendilhado de ruas, ruelas, igrejas, palácios, casas senhoriais, monumentos, praças e jardins, que gerações abnegadas souberam preservar e manter até aos dias de hoje, contrariando inclusive as forças da natureza telúrica. E que a UNESCO soube reconhecer, integrando o Centro Histórico de Angra do Heroísmo na lista de Património Mundial.

Arquitectura

A imponente fortificação de São João Baptista na cidade de Angra do Heroísmo, construída há cerca de 400 anos, é um exemplo único de arquitectura militar dos Açores e ergue-se em defesa da identidade desta cidade. Palácios, igrejas, conventos e museus, são diversos os locais a visitar e que estão abertos ao público: Sé Catedral, Palácio dos Capitães-Generais, Paços do Concelho, Igreja de São Gonçalo e Palácio Bettencourt são apenas alguns exemplos. Angra presta-se à descoberta sem rumo definido: fachadas de pedra de cantaria de traquito e pinturas de cores garridas, varandas de ferro forjado e janelas adornadas, são detalhes a descobrir, sem pressas.

No concelho da Praia da Vitória é a chamada arquitectura ou “Casa do Ramo Grande” que pontifica. Trata-se de habitações de índole rural, caracterizadas pela utilização de grandes lajes de pedra, e de cantaria trabalhada com arte minuciosa, usualmente de ignimbrito, uma rocha vulcânica muito peculiar e comum neste concelho. Espalhadas pela “planície do Ramo Grande”, em muitos casos as casas destacam-se pelas suas dimensões e pelas construções complementares de apoio à vida rural que integram, também elas em lajes de pedra ignimbrítica aparelhada.

Em diversas localidades da Terceira “impérios” de arquitectura rebuscada e fachada de cores garridas fazem parte da imagem de marca da ilha e merecem um olhar atento. Quintas e solares, muitas vezes adaptados a alojamento turístico, complementam a arquitectura secular e a atmosfera aristocrática da ilha.

Cultura

A ilha Terceira respira cultura por todos os poros. São diversas as instituições e agremiações culturais, grupos de teatro e locais de exposição temporárias ou permanentes que contribuem para a promoção da cultura da ilha. É o caso do Museu de Angra do Heroísmo, instalado no Convento de São Francisco, com as suas notáveis colecções de história militar e de transportes dos séculos XVIII e XIX.

Na cidade da Praia da Vitória, a Casa Vitorino Nemésio ocupa a pequena habitação em que nasceu este grande vulto da cultura portuguesa. Poeta e escritor de eleição, Vitorino Nemésio foi um intelectual com várias facetas, de jornalista a professor, de historiador a apresentador de um programa televisivo que marcou uma geração. O romance Mau Tempo no Canal é exemplo máximo do espírito insular que marca a obra de Nemésio, a quem se deve o conceito de “Açorianidade”, introduzido em 1932. 

Artesanato

Os bordados artesanais em linho branco cru ou vermelho integram a marca "Artesanato dos Açores”, quecertifica a origem e a qualidade destes produtos, bem como dascolchas de lã coloridas produzidas em teares manuais. A típica Viola da Terra, comum ao arquipélago, encontra na Terceira a originalidade de versões com 15 e 18 cordas em vez das tradicionais 12. Trabalhos em olaria e vime completam as principais manifestações artesanais da ilha.

Destaques

Locais a Visitar