São Miguel

Gastronomia

Cozido das Furnas

Nas Furnas, as panelas que resguardam as carnes e vegetais do cozido são ensacadas e enterradas no solo geotérmico. A cozedura leva cerca de cinco horas. Antes de apreciar o sabor singular de um prato confeccionado no calor natural da terra, vale a pena assistir ao içar do cozido, feito à força de braços vigorosos que puxam cordas atadas à pesada panela.

Chá

Entre as várias culturas industriais introduzidas nos Açores ganha relevância a do chá. As plantações da Gorreana e de Porto Formoso, que surgem no horizonte como ondas de folhas verdes, são únicas no contexto europeu. Na visita às fábricas-museu aprende-se a história do cultivo e a evolução da maquinaria utilizada, antes da merecida prova do chá açoriano.

Especialidades

Na gastronomia micaelense abundam os pratos de diferentes tipos de peixe, sempre com uma característica comum: a frescura. No marisco há também enorme variedade e curiosidades, como as cracas, crustáceo cozinhado em água do mar. A carne proveniente do gado criado em pastagens é macia e saborosa. Nas entradas, a famosa “pimenta da terra” associa-se ao queijo fresco, mas este tipo de malagueta local marca presença em várias receitas. O bolo lêvedo, originário das Furnas, está bastante difundido e pode surgir em qualquer refeição. Na doçaria, ganharam especial fama as Queijadas de Vila Franca do Campo. Os fumadores podem terminar a refeição com um charuto ou cigarrilha fabricados localmente.

Frutas

São Miguel tem tradição no cultivo de frutas exóticas como o ananás, a anona, o araçá e o maracujá, que são comidas ao natural ou utilizadas no fabrico de licores. As estufas de ananases, espalhadas pelas áreas da Fajã de Baixo, Lagoa e Vila Franca do Campo, mantêm práticas ancestrais que podem ser descobertas numa visita guiada.

Destaques