Vulcão dos Capelinhos - Esteve em actividade durante um ano, que deu ao Faial mais 2,4 km2 de terra
Vista da Baia de Porto Pim e cidade da Horta, do Monte da Guia
Freguesia de Almoxarife e Igreja de Nossa Senhora da Graça

Geografia

Com 19,8 quilómetros de comprimento e 14 quilómetros de largura máxima, os 173,1 km2da área do Faial apresentam um contorno grosso modo pentagonal. É a terceira ilha mais habitada do arquipélago, com 15 629 residentes (dados de 2008). A ilha do Faial integra o Grupo Central e é o vértice mais a Oeste das chamadas “ilhas do triângulo”, em conjunto com São Jorge e a ilha do Pico, da qual dista 6 km. O ponto mais elevado da ilha, aos 1043 m de altitude, está situado no Cabeço Gordo, na zona da Caldeira, a 38°34’34’’ de latitude norte e 28°42’47’’ de longitude oeste.

História

Presume-se que o descobrimento português da ilha terá ocorrido após o mapeamento da Terceira. O seu nome terá sido inspirado na abundância de faias-da-terra encontrada. Os primeiros povoadores oficiais, de origem flamenga e portuguesa, deverão ter chegado por volta de 1465, realizando uma primeira expedição em busca de estanho e prata, mas que não teve êxito. Dois anos depois, o nobre flamengo Josse Van Huertere regressa ao Faial e, atraído pela fertilidade dos solos, torna-se capitão do donatário português em 1468. Sob autorização real de D. Afonso V, traz novos colonos da Flandres que habitam o Vale dos Flamengos antes de se instalarem na Horta.

Os estrangeiros introduzem o cultivo do pastel na ilha. As exportações da planta tintureira e de trigo representam, durante dois séculos, os esteios da economia faialense. A ocupação espanhola em 1583 e os ataques dos corsários, principalmente franceses e ingleses, marcam um período de delapidação do património e riqueza da ilha. A erupção vulcânica de 1672-1673 também provoca elevada destruição na zona noroeste da ilha.

A bonança do século XVII, após a Restauração, surge em forma de porto de abrigo. A Horta transforma-se num entreposto da navegação entre a Europa e o continente americano, devido às condições da sua baía e à valorização da exportação do vinho produzido na ilha do Pico. Este, a par do vinho e aguardente originários das uvas de São Jorge e Graciosa, é comercializado para o reino, Europa e colónias britânicas. No século XVIII, a ilha também participa no ciclo de produção e exportação da laranja, fonte de enriquecimento do arquipélago. O porto da Horta vive uma época dourada, servindo de escala de abastecimento para os vapores que cruzam o Atlântico e para a frota baleeira norte-americana.

Em meados do século XIX, doenças infestantes dizimam vinhedos e laranjais no espaço de uma década. Mas graças à sua localização, a ilha transforma-se num centro nevrálgico de telecomunicações. A transmissão de informações entre a América do Norte e a Europa efectua-se por cabos telegráficos submarinos amarrados na cidade da Horta, cuja rede inaugural data de 1893. Sucessivamente, diversas companhias internacionais instalam cabos submarinos que ligam os continentes com passagem pela ilha. De igual modo, o Faial ganha dimensão logo no início do século XX, com a conclusão da construção do Observatório Meteorológico na Horta, em 1915.

A aviação também aproveita a posição privilegiada do Faial, escala dos primeiros hidroaviões que atravessam o Atlântico Norte, tendo o primeiro passado pela Horta logo após o final da primeira Guerra Mundial, em 1919. Na década de 1930 e 1940, as importantes companhias de aviação alemã, britânica, francesa e norte-americana escolhem a ilha como local de amaragem dos respectivos hidroaviões.

O aproveitamento desta benesse geográfica manteve-se até aos nossos dias. A marina da Horta, inaugurada em 1986, é um dos portos de abrigo mais famosos do mundo. Com a instituição do modelo autonómico, a cidade da Horta tornou-se sede do Parlamento Regional dos Açores e acompanhou as alterações económicas regionais, desenvolvendo o sector terciário, em detrimento dos demais.

Redbull Cliff DivingSiaram BannerBiosfera Açores Banner